O Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados foi formado em 2002 por meio do trabalho da atriz Juliana Barreto nas oficinas de teatro, em Centros de Convivência da Rede Pública de Saúde Mental de Belo Horizonte. Desde então, os atores, usuários deste serviço, desenvolvem pesquisa na área teatral e audiovisual. Este trabalho não só instaura outro espaço de expressão para os cidadãos em sofrimento mental, como também faz operar outra lógica de criação e experimentação no campo das artes cênicas, pelo então sujeito denominado louco.

Atuação: Edmundo Veloso Caetano (comandante), Rogério Gomes – ator sem fé, Diretor: Ellon Rabin – constantin, Ludmila Kondziolkova – ela, Viviane Vida Ferreira – trôpega, fada dos vícios e a atriz, Imaculada Fraga – viajante, Lydia Ramos – enfermeira, Bete Flores – turbulenta, Michele Guedes – aeromoça da Praça 7, Maria Gonçalves – passageira 1, Emílha Marques – passageira 2, Direção: Juliana Barreto Assistente de Direção: Ellon Rabin Preparação Corporal: Viviane Ferreira de Cássia Dramaturgia: Sapos e Afogados Iluminação: Orlan Sabará Cenário: Janaína Berling Figurino: Juliana Barreto/ Brisa Almeida Trilha sonora: Raíssa Machado/ Paulo Thomás Execução de Trilha: Raíssa Machado/ Paulo Thomás Produção: Julia Abdalla Programação Visual: Tatiane Motta 

Pular para o conteúdo